home > Plano de saúde > A lista de planos de saúde suspensos pela ANS

há 2 dias por Regina Pitoscia

A lista de planos de saúde suspensos pela ANS

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) faz um levantamento permanente sobre as queixas de usuários de planos de saúde. A cada três meses, ela divulga os resultados e o nome das operadoras que tiveram suspensa a comercialização de seus planos.

Na última semana, a ANS publicou a lista dos 31 planos que foram suspensos, de 10 operadoras, em consequência das reclamações recebidas no terceiro trimestre deste ano, a maior parte delas referentes a negativas e demora no atendimento. No período, chegaram 15.912 manifestações de usuários.

Para consultar a lista das operadoras e planos bloqueados, entre no site da ANS, http://www.ans.gov.br. Na barra azul superior do site, clique em “Planos e Operadoras”, entre na aba “Espaço do Consumidor”. Ao abrir um novo menu, vá para a última opção “Contratação e troca de plano”. Vários quadros com notícias vão surgir e o último deles traz a de “Suspensão da comercialização de planos”.

A Agência esclarece que uma operadora é impedida de vender seus planos quando pelo segundo trimestre seguido tem seu nome incluído na lista das mais reclamadas, sem que tenha havido uma redução mínima de 10% das queixas. E a empresa só pode voltar a ter esses produtos (os que foram suspensos) no mercado quando comprovar melhoria efetiva no atendimento.

Comunicar a ANS sobre problemas com o plano é sempre uma atitude indicada, porque pode ajudar a identificar as operadoras problemáticas e também a solucionar a questão de falta ou demora de atendimento, ou de qualquer outra natureza. Segundo a diretora-adjunta da agência, Flávia La Laina, 92% dos casos são resolvidos com a intermediação com os profissionais da fiscalização da entidade.

Em casos mais urgentes, no entanto, o usuário que não consegue chegar a um entendimento com a administradora do plano às vezes precisa procurar a Justiça para ter garantias.

Um passo atrás

A gritaria foi tanta e de todos os lados, que o próprio relator do projeto que trata das mudanças nos planos de saúde, deputado Rogério Marino (PSDB-RN) decidiu voltar atrás e retirar a permissão de reajustes das mensalidades para idosos.

Só para lembrar: uma proposta que altera a atual legislação dos planos de saúde está sendo analisada por uma Comissão na Câmara dos Deputados. Entre as medidas, uma das mais polêmicas permitia a diluição do reajuste por faixa etária, quando o usuário atinge os 59 anos, em parcelas, ao longo de 20 anos, e não de uma só vez com dia hoje a legislação.

Entidades de defesa do consumidor e a OAB se manifestaram contra a alteração, uma vez que isso atropela o Estatuto do Idoso que, por sua vez, proíbe, aumento do custo dos planos após os 60 anos. Ao mesmo tempo, isso não agradou as operadoras que não receberiam de imediato as receitas relativas ao forte aumento nessa faixa etária, mas sim ao longo de 2 décadas.

O fato é que isso foi excluído do projeto, que agora deverá entrar em votação no dia 13 de dezembro. Mas ele ainda contém pontos polêmicos, como que o que reduz o valor das multas aplicadas em operadoras por negativa de atendimento. Atualmente o valor dessas multas varia de R$ 5 mil a R$ 1 milhão.

Pelas mudanças, as multas seriam, no máximo, de 10 vezes o procedimento negado. Isso reduz consideravelmente o valor da punição. Basta imaginar um exame que custe R$ 50,00 e foi negado, a operadora estaria sujeita à multa de, no máximo, R$ 500,00.

Outro ponto que pode afetar e prejudicar os usuários é proposta de segmentação dos planos. Com redução de coberturas, poderiam ser criados planos mais baratos. Segundo especialistas isso poderá enxugar ainda mais a lista de procedimentos mínimos a que as operadoras estão obrigadas a oferecer hoje a seus participantes.

 

Compartilhe:

0 Comentário

Comentar como anônimo

Mais lidos em #Plano de saúde

Relacionados

Relacionados

Outras categorias:

Assim você busca por assunto,
aquilo que mais interessa.

E aqui a gente separou o que é mais acessado:

Mas se quiser receber nossos artigos
por e-mail, cadastre-se: