home > Contas > Reajuste de aluguel em outubro será de 3,37%

há 2 dias por Regina Pitoscia

Reajuste de aluguel em outubro será de 3,37%

Os contratos de locação com vencimento em outubro e corrigidos pelo IGP-M vão subir 3,37%. Esse porcentual reflete a variação acumulada do índice, que é calculado pela Fundação Getúlio Vargas, de outubro do ano passado a setembro deste ano. Ele é menor do que os 4,95%, usados para atualizar os contratos em setembro.

A queda da inflação tem impacto direto e imediato sobre os índices que reajustam o preço das locações. Em setembro, a variação dos preços pelo IGP-M ficou negativa em 0,01%, o mesmo comportamento de agosto, quando a variação foi de -0,67%. Esses resultados têm achatado cada vez mais a composição do índice anual e resultado em reajustes cada vez menores do aluguel.

Para encontrar o novo aluguel, basta multiplicar o que foi pago até setembro por 1,0337, o resultado corresponde ao valor a ser desembolsado pelo inquilino no finzinho de outubro, ou início de novembro, de acordo com a data combinada para acerto do compromisso. Por exemplo, um aluguel de R$ 2,5 mil teria um aumento de R$ 84,25 e passaria para R$ 2.584,25 (2.500 x 1,0337).

Embora esse seja o reajuste combinado em contratos atrelados ao IGP-M, nada impede que o aluguel seja atualizado acima ou abaixo dele. O que foi firmado no início da locação prevalece, mas tudo vai depender do bom senso e interesse entre as partes.

Se após a correção o valor ficar muito abaixo do de mercado, e o inquilino tiver interesse em permanecer no imóvel por muito tempo, convém pensar em reajuste extra. Evidentemente se houver condições financeiras para isso. É que uma vez vencido o prazo de contrato, o proprietário pode pedir o imóvel de volta e por qualquer motivo.

A contrapartida também é válida, se estiver pagando bem mais do que os alugueis praticados na região, o inquilino pode pedir uma revisão dos valores. Se tiver interesse em manter esse inquilino porque paga em dia e preserva o imóvel, a tendência é a de que o proprietário aceite um reajuste menor.

Aluguel novo

Observar o aluguel que é pedido nos imóveis que estão desocupados na vizinhança pode ser um bom parâmetro de comparação. O Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi) em sua pesquisa mensal detectou que o nível de aluguel para contrato novo vem subindo mais do que o de contratos em andamento.

Os valores médios de setembro do ano passado a agosto deste ano subiram 5,32%. No mesmo período os alugueis de contrato em andamento subiram 4,95%. “Desde janeiro de 2018, os preços dos alugueis na capital paulista não superavam o IGP-M. Isso comprova o que estávamos percebendo desde o início do ano: uma clara reação do mercado de locação, com o equilíbrio do valor médio do aluguel”, afirma Rolando Mifano, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP.

Garantias

A pesquisa também levanta a preferência por tipos de garantia tanto de inquilinos como de proprietários na hora de fechar o contrato. O fiador foi o tipo mais frequente entre os inquilinos, respondendo por 46% dos contratos firmados. O depósito equivalente a 3 meses de aluguel foi a segunda modalidade mais usada, cerca de 37% escolheram essa forma de garantia. E o seguro-fiança foi o tipo pedido por 17% dos proprietários.

Tempo para alugar

O estudo mede ainda a velocidade de locação, quer dizer, o tempo que se espera até que o contrato seja assinado, que vem caindo a cada mês. Isso significa que os imóveis ofertados estão sendo locados mais rapidamente, com tempo médio entre 17 e 45 dias. Casas e sobrados são mais facilmente locados, com prazo entre 17 e 42 dias. Já os apartamentos tiveram um ritmo de escoamento mais lento, variando de 24 a 49 dias. Muito provavelmente por representar mais custos com o condomínio.

Custos que podem colocar o morador em apartamento em situação financeira mais difícil. Segundo último levantamento feito também pelo Secovi-SP a inadimplência vem crescendo nos condomínios: em agosto foram ajuizadas 1.015 ações, no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, por falta de pagamento, o que representa um aumento de 31% em relação ao mês anterior.

 

 

Compartilhe:

0 Comentário

Comentar como anônimo

Mais lidos em #Contas

Relacionados

Relacionados

Outras categorias:

Assim você busca por assunto,
aquilo que mais interessa.

E aqui a gente separou o que é mais acessado:

Mas se quiser receber nossos artigos
por e-mail, cadastre-se: